19 abril 2018

Resenha #272: Rainha das Sombras - Sarah J. Maas (Galera Record)

Título: Rainha das Sombras
Título Original: Queen of Shadows
Autor: Sarah J. Maas
Série: Throne of Glass #4
Páginas: 644
Ano: 2016
Editora: Galera Record
Sinopse: Todos que Celaena Sardothien amou lhe foram tirados. Mas finalmente chegou a hora da retribuição. A vingança promete ser tão dura quanto o aço da Espada de Orynth — a espada de seu pai. Finalmente Celaena retornou ao império; por justiça, para resgatar seu reino e confrontar as sombras do passado.
A assassina está morta. Ela abraçou a identidade de Aelin Galathynius, rainha de Terrasen. Mas antes de reclamar o trono, precisa lutar. E ela vai lutar. Por seu primo, a Puta de Adarlan, o general do Norte... um guerreiro preparado para morrer por sua soberana; por seu amigo Dorian, um príncipe preso em uma inimaginável prisão; por seu povo, escravizado por um rei cruel e à espera do retorno triunfante de sua líder; por seu carranam e a libertação da magia.
Ao avançar em seu plano, no entanto, Aelin precisa tomar cuidado com velhos inimigos. E abrir o coração para novos e improváveis aliados. Tudo isso enquanto os valg continuam trabalhando nas sombras. E Manon Bico Negro, a Líder Alada das Treze, treina suas bestas voadoras. Mas é de Morath, a fortaleza montanhosa do Duque de Perrington, que uma ameaça como nenhuma outra promete destroçar seu grupo de rebeldes e sua corte recém-formada.


 ATENÇÃO! Se você não leu os livros e/ou resenhas anteriores, pode conter spoiler

Depois que terminei Herdeira do Fogo, fiquei super empolgada para continuar a série. Rainha das Sombras é o maior livro da série até agora. Apesar de alguns detalhes que me fizeram tirar meio gatinho, a série continua bastante interessante e envolvente.

No livro passado vemos Aelin aceitar sua verdadeira identidade. Em Rainha das Sombras, vemos a rainha de direito de Terrasen começar os seus planos de retomar seu reino. Mas já dizia Coldplay, ninguém disse que iria ser fácil.

Aelin agora tem que pensar não só em seu bem, mas o bem das pessoas que a apoiam e isso faz com ela tenha uns planos bem loucos. Por muitas vezes pode ser que essa questão dela querer resolver tudo sozinha vá deixar você com raiva, mas eu entendo no fato de que ela nunca pode confiar em ninguém e todos que ela se importou foram mortos. Porém, agora ela tem pessoas na sua vida estão dispostas a ajudá-la a ter o que é seu de volta.

Se em Herdeira do Fogo, Sarah mostrou a que veio a história, Rainha das Sombras é caracterizado pela volta dos que não foram. Eu estava comentando com alguns amigos que a Sarah trouxe tanta gente de volta que eu não ia me espantar se um certo personagem voltasse das catacumbas mais profundas. Eu me incomodei um pouco com o fato dela já mostrar os personagens como se já conhecêssemos. Isso acontece caso o leitor já tenha lido o livro A Lâmina da Assassina, composto de contos que se passam antes de Trono de Vidro. Não que esse detalhe atrapalhe tanto na leitura, mas fica aquela sensação de que se perdeu algo no meio do caminho…


Paralelo com a narração de Aelin e companhia, vemos Manon e as bruxas em Morath. Desde o livro passado, a bruxa Bico Negro já ganhou muito minha atenção. Confesso que aqui eu quis dar muito na cara dela em certos momentos com sua lealdade e obediência cega com as ordens da sua avó, mas depois de uma certa luta com uma certa rainha perdida e uma bomba soltada, ela percebe que sua lealdade e obediência não significa que ela não possa ter alguns questionamentos e discordâncias.

Escrevendo essa resenha, eu percebi que esse detalhe da vida de Manon é muito parecido com a do Chaol. Os dois depositavam sua lealdade em pessoas que eles confiavam que estavam fazendo o melhor para o seu povo. Infelizmente não é bem assim que a banda toca e ambos descobriram tarde demais.

Falando em Chaol, depois daquele final arrasador para Dorian e ele, vamos acompanhando como os dois estão lidando com tudo, principalmente Chaol. Até entendo por que algumas pessoas passaram a odiar o personagem, mas eu não consigo fazer isso com meu bebê. Dorian, meu filho sofredor, socorrinho viu? Fiquei com o coração na mão nas narrações que ele aparecia. Mas o cara fez valer a pena na reta final. Em certa cena dele, confesso que me arrepiei toda e soltei um VIIIIIIIIIAAAAAAAAAAAAADOOOOOOOOOOOO!!!! #QueimaQuengaralMODEON

O livro é narrado em terceira pessoa, o que faz com que você saiba mais sobre as tretas todas que estão acontecendo tanto em Forte da Fenda quando em Morath. Além, claro, de saber como os personagens se sentem em relação aos acontecimentos. Agora, uma pausa para expressar as narrações focadas em Rowan.

Rowan foi um personagem que me chamou bastante atenção em Herdeira do Fogo, ganhando meu apreço e tals. Mas aqui em Rainha das Sombras eu tenho sentimentos dúbios em relação a ele. Suas narrações destoam um pouco do que é apresentado no livro: todo mundo preocupado com o Rei malvadão e tals, e ele focando em outras “necessidades”. Fora que seus pensamentos e sentimentos em relação a Aelin não condizem muito com sua personalidade. O cara é um príncipe feérico de mais de 500 anos mas seus pensamentos são piores que de um adolescente que está na puberdade só pensando com a cabeça de baixo. Migo, foco pelamor!!! A tua rainha está com a cabeça a prêmio, junto com teus amigos, e você focando nos pensamentos da sua cabeça de baixo… Seje menas, apenas.

Esse é um dos problemas que eu tenho com a Sarah: a necessidade de querer formar casal pra cima e pra baixo. Moça, pelamor… em pleno 2018 e você ainda nessa de casamenteira. OK que é legal ter um pouco de romance no ar e tals, mas por favor… Teve algumas cenas - principalmente as narradas sobre as perspectivas do Rowan - que eu achei bem desnecessárias, se comparado com o pano geral da história. Mas vida que segue…

Como falei no começo, o livro só não levou escândalo por conta dois detalhes. O primeiro já falei que foi o Rowan e seus pensamentos de adolescente na puberdade. O outro detalhe são algumas revelações que são feitas na reta final. Dona Sarah é dona de querer inovar, mas miga, vamos inovar direito. OK que tu quisestes fazer algo diferente e surpreendente, mas tudo aquilo que o Rei de Adarlan falou eu achei muito mal estruturado e um tanto fubeca. Vamos ver se em Império de Tempestades você consiga me convencer do que tentou armar aqui.

A reta final desse livro é tirar o fôlego. As cenas se intercalam, narradas do ângulo de vários personagens, e são muito bem escritas. Foi aí que entrou meu questionamento sobre um certo detalhe em Corte de Asas e Ruínas, mas não vou comentar aqui porque é um super spoiler. Mas se me permitem um protesto: se ACOWAR tivesse sido escrito em terceira pessoa, ele seria o melhor livro da SJM #fato.

O meu livro favorito ainda continua sendo Herdeira do Fogo, mas os acontecimento em Rainha das Sombras não deixam a desejar. Estou preparando meu espírito para as altas tretas que virão em Império de Tempestades.

Resenhas anteriores
Livro 1 - Trono de Vidro (Throne of Glass)
Livro 1.5 - A Lâmina da Assasina (The Assasin's Blade)
Livro 2 - Coroa da Meia-Noite (Crown of Midnight)
Livro 3 - Herdeira do Fogo (Heir of Fire)

9 comentários:

  1. Oi Lu,

    Acho essas capas lindas, é cada uma mais maravilhosa que a outra e infelizmente eu li apenas o primeiro livro, to atoladona nas leituras hehe
    Não li toda a sua resenha, só algumas partes!! Que bom que foi aprovado, espero ler esta série logo!!

    Beijos Mila
    Daily of Books

    ResponderExcluir
  2. Oi, Lu
    Ainda tenho que terminar a trilogia de Corte de espinhos e rosas, não sei bem se vou ler essa outras série da autora, só de pensar na quantidade de livros e de páginas me dá preguiça.
    Beijos
    http://www.suddenlythings.com/

    ResponderExcluir
  3. Confesso que não gosto muito de livros que tem continuação, mas essa história é tão interessante que da vontade de conhecer todos agora mesmo. Amei sua resenha, Lu!

    www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  4. Como sempre suas fotos estão ótimas, adorei a composição. Resenha muito bem escrita, porém admito que a premissa do livro não me agrada muito, sou um pouco distópica, mas essa série não me fez apaixonar haha!

    http://www.leitorasvorazes.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi Lu!
    KKKKKKKKKKKKKKKKK eu raxo com tuas resenhas. Amo elas.
    Bem, como eu ja tinha comentado contigo no grupo, pra mim o problema desse livro é Aelin e o Rowan, tirando isso, os outros arcos tavam muito interessantes. Eu gostei da relação da Manon e das Bruxas e pra mim é o que salva tudo, embora as cenas do confronto no castelo sejam incriveis.
    Ahh, a relação Aelin e Chaol no começo também me irritou. Eu achei escroto a forma como eles se portavam um perto do outro, mas as revelações do rei eu levei de boa KKKK.

    Abraços
    David
    http://territoriogeeknerd.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi, Lu!
    Confesso que pulei várias partes da resenha, pois ainda não li nenhum dessa série.
    Não é um livro que me chama muito a atenção, mas só vejo comentários positivos sobre ele. Então acho que vou tentar dar uma chance!
    Beijinhos,

    Galáxia dos Desejos

    ResponderExcluir
  7. Ahhh Lu, morta com a autora casamenteira, mas sabe que eu acho queia gostar dessa pegada dela hehehehe Ainda não tive muita coragem de começar essa série, mas fico feliz que a autora continue mandando bem!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  8. Nem conhecia ela e nem os livros...

    clebereldridge.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Olá Luiza,

    Só leio comentários positivos dessa série e espero futuramente ter oportunidade de ler todos os livros, adorei a resenha.....bjs.


    http://devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Muito obrigada pela visita e volte sempre!
Deixe seu comentário/opinião; estou muito interessada e ele será respondido assim que possível.
Deixe também seu blog, se tiver, que assim possível farei uma visita :)

Tecnologia do Blogger.