25 maio 2016

Resenha #58: Flor de Cerejeira - Alana Gabriela

Título: Flor de Cerejeira
Título Original: ---
Autor: Alana Gabriela
Série: ---
Páginas: 315
Ano: 2016
Editora: Independente
Sinopse: “Qualquer um pode cometer um erro.”
Yoko sempre teve uma vida relativamente boa e estável, participava da organização do Festival Cherry Blossom, tinha amigos com quem contar na escola, tocava violino e estava treinando para fazer parte da orquestra da Juventude de Macon quando tudo começou a dar errado. Seu pai se envolveu num grave acidente, que acabou matando um pai de família e, foi parar na prisão. Sem a referência paterna, e com todos os problemas financeiros que se acumulam, o distanciamento da mãe, Naomi, que está a cada dia mais se afundando em trabalho, Yoko vê o que sobejou, de sua família, totalmente desestruturado. Em meio à dor da perda, Yoko conhece Aidan Hirsch, um garoto que parece tão desestruturado quanto ela, taciturno e solitário, e que é capaz, acima de tudo, de não julgar, simplesmente ouvir. Aos poucos, um sentimento singelo e inefável ganha forma, surgindo uma história delicada de autoconhecimento, arrependimento, culpa e superação que poderá mudar a vida desses adolescentes se assim escolherem.


Quando Alana pediu pra eu dar uma lida em Flor de Cerejeira, eu topei na hora (apesar do meu cérebro bugado só querer lembrar de flor de laranjeira #wtfbrain). Na verdade fiquei bem feliz (isso é eufemismo pra como eu me senti) de eu ter sido escolhida como tributo para dar algumas opiniões na história.

Durante a leitura, eu sentia que a Yoko, antes desse babado todo com o pai, era uma adolescente feliz e de bem com a vida. Porém, o acidente não só mudou a vida do pai dela, como a da sua também. Agora, dá vontade de pegá-la, colocar no bolso e dizer que vai ficar tudo bem.

Eu ficava bem bolada da vida como as pessoas a tratavam. Como se ela tivesse sido culpada por tudo. Mas é isso que acontece na vida real. Uma pessoa da família faz algo de errado e toda ela paga. Dava vontade de pegar tudinho e fazer churrasquinho dos olhos.

A vida de Yoko começa a dar uma iluminada quando uma amizade inesperada com Aidan surge. Eu achei muito legal e fofo como surgiu essa amizade deles e como ela foi trabalhada. Em certos momentos, eu realmente cheguei a pensar que não iria passar de amizade entre os dois e estava feliz e conformada com isso. Afinal, por que sempre tem de rolar um romance, apesar de todos torcerem por isso? Se Yoko e Aidan estivessem terminado como amigos, ainda assim seria um bom final.

Um personagem que no começo eu torcia o nariz, mas depois me conquistou, foi a mãe da Yoko. Eu fiquei bem bolada com ela no início porque parecia que só ela estava sofrendo por conta da prisão do marido e deixou a filha meio de standby. Porém, depois realmente a mãe na mulher e ela subiu no meu conceito, principalmente depois colocar a Yoko em algumas situações que só as mães sabem.

Um ponto bem legal do livro é a musicalidade presente (Yoko toca violino). Ficou bem visível que Alana fez uma pesquisa e sabia sobre o que estava escrevendo. As passagens sobre a Yoko tocando me fazia sentir como se eu estivesse a vendo tocar.

Aidan (que eu teimava em chamar de Adrian #sddsAdrian) é aquele típico adolescente reservado na escola, mas que é um amor de pessoa depois que se ultrapassa a barreira que ele impõe. Clichê? Sim, mas ainda assim você não vai deixar de se conquistar com ele. Aidan é a pessoa que mostra pra Yoko que ela não pode se culpar e deixar que os outros a culpem por algo que ela não cometeu.

Flor de Cerejeira não se trata de um romance entre dois jovens com problemas familiares, considerados párias na sociedade. Se trata de amizade, companheirismo e saber se reerguer quando a vida te dá uma voadeira no meio do peito.

18 comentários:

  1. Que fofo, Luiza. Achei sua resenha um amorzinho. Realmente um problema de família desestrutura tudo. E saber lidar com o que há de acontecer é difícil, pois nunca estamos preparados para nada. Gostei muito. Um dia leio ele. <3

    www.primeiras-impressoes.com

    ResponderExcluir
  2. Olá, Luiza.
    Agrada-me o fato do livro ser muito mais sobre amizade do que sobre um romance entre jovens com problemas. Afinal, essa segunda premissa já é mais do que batida.
    Gostei do enredo e da resenha. Talvez dê uma chance no futuro.

    Desbravador de Mundos - Participe do top comentarista de maio. Serão três vencedores!

    ResponderExcluir
  3. Oi Lu, que linda resenha e quando falou em tocar violino meus olhos brilharam, fiquei com muita vontade de ler o livro e de conhecer Aidan, menina, quase o chamei de Adrian, rsrs

    Beijos Mila
    Daily of Books

    ResponderExcluir
  4. OMG!!! Lu... que resenha lacradora!! Quase tive um treco aqui. Imagina o meu sorriso enorme maior do que a cara com todas essas suas palavras lindas. Pois é, eu lembrei logo do Adrian (lindo) de Laços de Sangue. Bateu uma saudade para terminar a série agora. Flor de laranjeira??!! kkkkkkkk. É verdade, a mãe da Yoko faz umas armadas que só as mães sabem fazer, né?! Mô mico... Eu amo música e os meus instrumentos favoritos é o piano e o violino!! *-* Eu estudei mesmo para escrever essa parte porque de violão e outros instrumentos eu conheço mais, e apesar de eu apreciar música clássica eu não conhecia a fundo todos os instrumentos!! Eu acho super engraçado e maravilhoso como você consegue transmitir algo soft e bonito e ao mesmo tempo ser engraçada. Amei sua última frase: a vida te dá uma voadora no peito. ahahaha
    Obrigada por fazer a leitura e fico mais feliz ainda que tenha gostado. *-*
    Beijin...

    ResponderExcluir
  5. Esse livro parece ser muito fofo, fiquei com vontade de ler, haha
    Beijos
    http://masenstale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Amei a sua resenha, não conhecia o livro, mas adorei! Com certeza lerei em breve :)
    Beijo*
    http://umminutoumlivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Não sei se gostei mais da resenha, da história do livro contada na resenha ou do desfecho da resenha. Em qualquer história encontrar amizade, companheirismo e um pouco da consciência de que se reerguer quando a vida te dá uma voadeira no meio do peito é uma urgência é uma dádiva e você colocou "Flor de Cerejeira" no meu mapa de livros possíveis com muita graça! Adorei!

    Pandora
    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  8. Olá, Luiza.
    A Alana me ofereceu para ler também, mas eu não quis porque nunca li nada antes de estar pronto e não sei se saberia opinar hehe. Mas quero ler a história e essa capa ficou linda demais.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  9. Oii Luiza, tudo bom?
    A história parece ser fofíssima <3 Eu já meio que me apaixonei pelo livro pela simples referência de ter a cultura japonesa no meio *-* Raramente encontro livros que falem dessa cultura e quando encontro fico louca para ler *-* Já me imagino me apaixonando pelo Aidan também ♥
    Estante de uma Fangirl

    ResponderExcluir
  10. Suas resenhas são incríveis!
    Achei esse livro lindo e com certeza eu iria ler, sem contar que a capa me encantou demais! *--*
    Beijos. ♥

    Diário da Lady

    ResponderExcluir
  11. Oi
    que bom que gostou da leitura, eu também tive a chance de ler e gostei, fiquei com muita raiva das coisas que a Yoko sorri, infelizmente é como você falou a família toda paga pelo erro de um. Eu gostei do Aidan e da forma que ele cuidava do seu irmão e foi se abrindo para a yoko.

    momentocrivelli.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  12. Olá, Luiza!!
    Resenha maravilhosa e que deixa mesmo quem lê a resenha com um gostinho de "quero mais". O livro parece passar uma mensagem extraordinária para os leitores.
    Beijos,
    Luana Agra - http://sector-12.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Olá Luiza!
    Nossa que livro legal. Amei a capa e sua resenha. Além disso q história parece trazer muito mais do que promete inicialmente. Eu toco violino, então com certeza vou curtir ainda mais *-*
    Bjos
    https://kelenvasconcelos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Meu Deus, que virada na vida da pobre Yoko hein, que dó da menina!
    Mas claro que a autora deve reservar algo para ela em meio a tanta tristeza e admito que a sua resenha me deixou curiosa pela trama, além da capa belíssima que ela possui!!!

    Beijo, Van - Retrô Books
    http://balaiodelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Oi Lu, tudo bem?
    Eu sou louca para ler algo da autora, mas ainda não consegui tempo :P Mas lerei, uma hora lerei hehehhe
    Mas confesso que esse livro não me chamou a atenção :P
    Apesar da sua empolgação, não é um livro que eu leria neste momento. Ando meio enjoada para romances então...
    Mas que bom que você gostou =D Espero que a autora faça muito sucesso <3
    Beijooos
    http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. OLá Luiza!
    Curti muito a premissa e a sua resenha. Li o A Estranha Mente de Seth da Alana e gostei muito! Fiquei mega curiosa para esse :)
    Bjs

    EntreLinhas Fantásticas

    ResponderExcluir
  17. Oi, Luiza! Você tem várias resenhas e eu gosto muito delas, principalmente as dos livros que eu já li, porque assim posso comparar nossas opiniões hahdha ♥. Adorei essa e fiquei bem curiosa pelo livro.
    Beijosss da Sam. https://sonaorepareabagunca.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  18. Olá, Luiza.
    Estou lendo "Flor de Cerejeira", a pedido da autora. Recebi uma versão em PDF com alguns problemas de revisão, e estou me sentindo desconfortável durante a leitura. Mas ao mesmo tempo, quero insistir, porque assumi um compromisso e porque pela sinopse a história me pareceu ser boa. Eu também tenho aquela ideia de que se desistir de um livro, posso perder a chance de descobrir algo muito legal...
    Encontrei sua resenha o Skoob, e li para saber se você teve o mesmo problema que eu. Pelo que li, parece que você gostou muito. Vou continuar.

    ResponderExcluir

Muito obrigada pela visita e volte sempre!
Deixe seu comentário/opinião; estou muito interessada e ele será respondido assim que possível.
Deixe também seu blog, se tiver, que assim possível farei uma visita :)

Tecnologia do Blogger.